terça-feira, 12 de julho de 2022

Moelas estufadas

Sou fã deste tipo de petiscos, e sempre gostei em particular dos miúdos de frango. Desde as patas até ao coração. Eu sei, polêmico, mas tudo bem estufadinho fica um verdadeiro manjar. Mas moelas, são uma das miudezas que as pessoas mais toleram e apreciam, e são presença habitual em quase todas as tascas ou numa mesa de petiscos de fim de semana.

Esta receita que trago hoje, é muito simples, sem grandes segredos, mas há pormenores que a tornam muito apetitosa e a elevam a outro nível. 
Acho que faz a diferença utilizar moelas descongeladas, as frescas têm tendência a demorar ainda mais a cozer e podem ficar mais rijas. Congelando, amolece mais um pouco. 
Nesta receita não vai um pingo de água. É apenas utilizada cerveja, e em pouca quantidade de cada vez. Vai estufando em lume baixo durante umas horas (duas nesta receita) para o molho engrossar aos poucos, e naturalmente. Ficam "tenrinhas" e deliciosas!

Se são fãs das belas moelas estufadas, sigam esta sugestão e digam o que os vossos amigos, colegas ou família acharam. Garanto que é sucesso! 😋





INGREDIENTES

500 gramas de moelas (descongeladas e limpas)
1 cebola grande (picada)
2 dentes de alho grandes (picados)
1 tomate médio bem maduro
2 colheres (sopa) de polpa de tomate
200 ml de cerveja
q.b. sal e pimenta preta
q.b. tabasco (ou outro picante a gosto)
q.b. azeite

PREPARAÇÃO


Para pelar o tomate, coloque-o numa taça e faça dois cortes com uma faca na base.
Cubra com água a ferver e deixe repousar 1 minuto.
Retire a água e coloque por cima do tomate água gelada. Deixe uns segundos na água.
Retire a pele do tomate com uma faca, e através dos cortes feitos inicialmente. 
Esmague o tomate com a mão, até ficar em "puré". Reserve.

Coloque um fio generoso de azeite num tacho.
Junte a cebola e os alhos.
Deixe refogar até alourar ligeiramente.
Junte o tomate e a polpa de tomate.
Misture e deixe cozinhar 1 minuto em lume médio.
Adicione as moelas e envolva bem no refogado.
Condimente com sal e pimenta preta a gosto.
Adicione um picante a gosto.
Misture.
Junte metade da quantidade da cerveja.
Mexa e deixe ferver.
Coloque o lume baixo e deixe as moelas cozinharem tapadas, aproximadamente 2 horas (para ficarem bem tenras e o molho bem apurado e mais grosso).
Vá mexendo de vez em quando. 
Se o líquido evaporar demasiado, coloque a restante cerveja. Mas não é necessário adicionar água.
Deixe as moelas estufarem no próprio suco e cerveja e estão prontas a ser servidas.



Bom Apetite!


segunda-feira, 4 de julho de 2022

Caril de Frango

Este pratinho surgiu da necessidade de aproveitar um leite de coco que tinha aqui no frigorífico, bem no limite para o utilizar. E não é que resultou num prato bem apetitoso? :) Não é uma receita autêntica, mas garanto que é divinal! 😋

Se tiverem aí por casa estes ingredientes...já tem opção de almoço ou jantar. É simples e bem rápido de preparar.


 


INGREDIENTES (serve 4 pessoas)

2 pernas de frango grandes

1 cebola média

2 dentes de alho grandes

1 cenoura média

350 ml de leite de coco

1 colher (sopa) de caril em pó

1 molho pequeno de coentros frescos

q.b. sumo de lima (espremido na hora)

q.b. sal e pimenta preta

q.b. azeite


PREPARAÇÃO

Desosse o frango e corte em pedaços pequenos.

Num tacho antiaderente coloque um fio generoso de azeite.

Aloure de ambos os lados os pedaços de frango, retire-os do tacho e reserve.

Coloque mais um pouco de azeite, se necessário, e refogue a cebola e os alhos, picados finamente.

Junte o frango e a cenoura cortada em rodelas ou meia lua, e condimente com sal e pimenta preta a gosto.

Acrescente um pouco de água (uns 100 ml) e deixe estufar uns 15 minutos em lume médio/baixo.

Se for preciso, junte mais um pouco de água (mas não deixe aguado).

Aumente o lume e junte o leite de coco, o caril e os coentros picados. Mexa, e deixe cozinhar uns 2 minutos.

Esprema um pouco de sumo lima e misture.

Está pronto a servir. Com arroz branco ou outro acompanhamento. 


Bom Apetite!


sexta-feira, 1 de julho de 2022

Panquecas de coco e limão

A sugestão que trago hoje é uma variação mais "saudável" de uma receita que publiquei aqui no blogue em 2013. Não era suposto ter ido ao baú, mas a Internet "obrigou-me"; e ainda bem, pois lembrei-me do quão boas são estas panquecas, ainda que com umas ligeiras alterações! 😁

Ora, andava eu na pesquisa de uma receita com coco, quando dou de caras com uma fotografia de minha autoria (muito básica), das benditas panquecas, num qualquer site. Confesso que me deixou pensativa, mais do que irritada. 

O site é de uma revista portuguesa de lifestyle muito conhecida, e não consigo encontrar sentido de "enganar" quem os lê. A receita da fotografia, é tudo menos saudável. É antes, bem rica em calorias, mas também em sabor, vá. :) E além de estar na secção "fit" do site, a descrição indica a utilização de apenas 3 ingredientes. Só consegui rir e pensar, "coitado de quem acha que o resultado vai ser o mesmo que o da fotografia". É o fim do mundo? De maneira nenhuma, mas acredito que estas pequenas coisas desmotivem quem tenta entregar conteúdo "de valor", sem ser de uma forma imediata e que comprometa a qualidade. Porém, a realidade é que hoje em dia o público em geral procura o "imediato", e está tudo bem. Mas isso seria assunto que renderia imensas palavras, e, agora, não me apetece! 😊

E como não sou a mesma pessoa que era em 2013, principalmente a nível de estilo de alimentação, fiquem com esta minha sugestão, versão "saudável", não "fit", para um pequeno almoço ou lanche bem saboroso! E digam-me o que acharam. 😋 


Podem ver a a receita em vídeo, em baixo.


INGREDIENTES - 5/6 panquecas grandes

1 ovo grande

20 gramas de açúcar de coco

200 ml de leite de coco

150 ml de leite (usei sem lactose)

190 gramas de farinha de trigo integral

80 gramas de coco

1 limão (raspa)

1 colher (chá) de fermento em pó

q.b. sal fino


PREPARAÇÃO

Numa taça coloque o ovo e o açúcar. Bata com umas varas.

Junte o leite de coco e o leite. Misture.

Adicione a farinha e envolva bem, mas sem bater demasiado. 

Junte o coco ralado e misture.

Raspe o limão.

Acrescente o fermento em pó e uma pitada de sal. Envolva. 

Numa frigideira antiaderente coloque um pouco de uma gordura (usei azeite) à vossa escolha e espalhe bem. 

Com a ajuda de uma concha de sopa ou colher grande, coloque uma porção de massa na frigideira (maior ou mais pequena). 

Deixe cozinhar até a panqueca começar a ganhar bolhas e a secar no rebordo, e está pronta a ser virada (cuidado com a temperatura para não as escurecer demasiado). 

Repetir o procedimento com toda a massa. 

Sirva simples, ou acompanhadas de uma cobertura (topping) da vossa preferência. Fruta, compotas, iogurte…


Bom Apetite!


sexta-feira, 20 de maio de 2022

Bolo de maçã com limão e canela

Fim de semana, para ser fim de semana, tem de ter bolo. 😀

Ainda que o tempo comece a aquecer, apetece sempre um bolinho, por isso, trago a sugestão de uma receita que certamente aconchegará a alma, e alegrará a barriguinha de qualquer um. 😍 Mas, digo isto, porque adoro a combinação de limão com canela. Talvez pelo sabor me fazer lembrar o tradicional Doce da Teixeira

Corram para a cozinha, e acompanhem um pedaço desde bolo, com uma chávena de café bem quentinho. Não há melhor. E...não precisam de agradecer pela receita! 😁




INGREDIENTES

3 maçãs

6 ovos M

90 gramas de açúcar amarelo

1 limão grande (raspa)

150 ml de leite

50 ml de azeite virgem extra (suave)

300 gramas de farinha de trigo integral

1 colher (sobremesa) de fermento em pó

1 colher (chá) de bicarbonato de sódio

1 colher (chá) cheia de canela em pó


PREPARAÇÃO

Descasque e parta as maçãs em cubos pequenos. Regue com um pouco de sumo de limão para as maçãs não oxidarem. 

Parta os ovos para uma taça e junte o açúcar.

Bata bem até dobrar de volume e ficar um preparado cremoso.

Acrescente o leite, o azeite e a raspa do limão.

Bata mais um pouco para misturar.

Junte a farinha, o fermento em pó, o bicarbonato de sódio e a canela. Envolva bem. 

Misture as maçãs na massa.

Forre uma forma de bolo retangular (ou outra) com papel vegetal e unte com azeite ou manteiga.

Verta a massa na forma.

Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC cerca de 40/45 minutos. Mas verifique espetando um palito no meio do bolo, e se este sair limpo está pronto.

Retire do forno e deixe arrefecer um pouco antes de consumir.

Bom Apetite!





sexta-feira, 13 de maio de 2022

Peru assado no forno com laranja e alecrim

Peru era uma carne que em miúda não me dizia muito. Aliás, não gostava de todo do sabor. Mas hoje vejo que era o tipo de corte da carne, que a deixava mais ressecada, e a partir dai o sabor ficava aquém. Agora, é sem dúvida das carnes que mais gosto nos assados. Usando a perna ou asa inteira fica muito suculenta. Além de ser muitas vezes mais económica, e saudável. E a combinação dos ingredientes desta receita é aquela que está mais do que anotada cá em casa e não mudo por nada. É mesmo, mesmo muito saborosa! A laranja e o alecrim conferem um aroma e sabor incríveis ao peru. Se me permitem que vos aconselhe uma receita de um bom assado para conquistar a barriguinha da família ou amigos, é esta.😊


INGREDIENTES

carne:

1 perna de peru (1,5kg)

marinada:

4 dentes de alho grandes (laminados)

1 cebola grande (meia-lua)

2 folhas de louro

1 ramo de alecrim

400 ml de água

250 ml de vinho tinto

50 ml de azeite

1 laranja grande (sumo)

1 colher (sobremesa) de pimentão doce

1 colher (sobremesa) de alho em pó

1 colher (sobremesa) de sal

1 colher (chá) de pimenta preta

acompanhamento:

2 cenouras (rodelas)

400 gramas de batatas (descascadas e cortadas em cubos)


PREPARAÇÃO


Numa bacia coloque a água, o vinho, esprema o sumo da laranja e acrescente o azeite.

Junte também a laranja espremida partida em pedaços.

Acrescente a cebola e os dentes de alho.

Junte as folhas de louro e o alecrim, partindo os raminhos.

Condimente com o pimentão doce, o alho em pó, o sal e pimenta preta.

Misture bem todos os ingredientes.

Junte o peru e envolva bem na marinada.

Acrescente as batatas e as cenouras (para dar mais sabor na hora de assar).

Cubra a bacia com película aderente (ou de outra forma) e deixe a marinar de um dia para o outro.

Antes de levar ao forno, retire os pedaços da laranja, para não conferir um sabor azedo ao assado.

Coloque a perna de peru num pirex/forma própria para ir ao forno.

À volta, disponha as batatas e as cenouras.

Cubra com a restante marinada.

Leve ao forno pré-aquecido a 180ºC coberto com papel de alumínio, aproximadamente 1 hora.

Retire do forno, descarte as folhas de louro e reserve as batatas sem separado.

Para preparar o molho de acompanhamento da carne, com uma concha de sopa retire para uma tigela bastante da marinada, mas deixe alguma na forma. Retire junto com a marinada alguns pedaços de cenoura, cebola e alho, para que o molho fique mais espesso.

Coloque novamente as batatas na forma, e certifique-se que a pele do peru está virada para cima, para ficar mais "tostada".

Leve de novo ao forno (sem o papel de alumínio) até terminar de assar a carne e dourar as batatas.

Triture a marinada com uma varinha mágica até ficar um molho cremoso e liso.

No total, o meu peru demorou 2 horas a ficar pronto. Mas verifique, pois depende de cada forno.

Deixe repousar o peru uns 30 minutos antes de servir, para a carne se manter ainda mais tenra e suculenta.


Bom Apetite!




quarta-feira, 4 de maio de 2022

Costeletas de sardinha

Depois da receita de arroz de tomate da semana passada, não podia faltar o que o acompanhou. Umas belas costeletas de sardinha panadas e fritas...😋 Sardinha é dos meus peixes favoritos e diria que é um dos alimentos de ouro do nosso país. Acredito que quase toda a gente conheça, mas é sempre bom partilhar...caso alguém ainda não tenha comido esta delícia de peixe. 



INGREDIENTES (serve 4 pessoas)

16 sardinhas grandes

1 limão 

3 dentes de alho

3 ovos

q.b. farinha de trigo 

q.b. pão ralado

q.b. sal e pimenta preta


PREPARAÇÃO

Para facilitar o trabalho, peça numa peixaria para abrir o peixe em filete.

Caso arranje o peixe em casa: corte a cabeça das sardinhas com uma faca. Retire as tripas com a mão. Para abrir a sardinha a meio, comece de cima da sardinha a fazer pressão até ao rabo (pode usar uma faca, mas basta as mãos). A sardinha abrindo "quebre" a espinha junto ao rabo e puxe até cima. 

Depois das sardinhas limpas e arranjadas, tempere com sumo de limão, condimente com sal e pimenta preta a gosto e espalhe os alhos bem picados.

Deixe nesta "marinada" uns 30 minutos.

Coloque em 3 pratos fundos, a farinha, o ovo e o pão ralado respetivamente. Opcionalmente, condimente cada ingrediente com sal e pimenta preta.

Passe a sardinha por farinha, depois pelo ovo, e por último pelo pão ralado. Repita este processo com todo o peixe.

Aqueça uma frigideira com óleo ou azeite. Frite o peixe de ambos os lados.

Escorra bem as "costeletas" de sardinha e coloque-as num prato com papel de cozinha para absorver a gordura.

Na hora de servir, pode espremer mais sumo de limão em cada sardinha.


Bom Apetite!

sexta-feira, 29 de abril de 2022

Arroz de tomate (bem malandrinho) 😋

Não é novidade esta receita aqui no blog, mas já lá vão uns anos e aproveitando que gravei a sua preparação em vídeo, porque não atualizá-la? 😊 

O belo do arroz malandro (bem caldoso) é para mim sinónimo da mais pura comida de conforto. Portugal tem mesmo das comidas mais saborosas. E o arroz, seja de feijão, legumes, ou então como este, de tomate, é sempre um petisco! E se vamos fazer arroz de tomate, temos de ter um maravilhoso peixe frito a acompanhar. 😋 Ainda que não seja a coisa mais saudável, alimenta-nos a alma. E tal qual o nome aqui do blog, vai diretamente "Da Panela para o Coração".

INGREDIENTES (serve 6/8 pessoas)

200 gramas de arroz carolino

1 tomate grande bem maduro ( 450 gramas)

1 cebola pequena ( 130 gramas)

2 dentes de alho

1 folha de louro

50 ml de vinho branco

q.b. salsa fresca

q.b. sal e pimenta preta

q.b. azeite


PREPARAÇÃO

Corte o tomate em cubinhos. Pique finamente a cebola e os alhos.

Num tacho coloque um fio generoso de azeite.

Junte a cebola, os alhos e a folha de louro.

Refogue uns minutos até ficar com uma cor ligeiramente alourada.

Adicione o vinho e o tomate. Refogue uns minutos em lume baixo.

Junte o arroz e envolva bem no refogado. Deixe cozinhar, "fritar" um minuto.

Coloque água (5 tigelas medida do arroz). Condimente com sal e pimenta preta a gosto.

Mexa e deixe ferver.

Deixe cozinhar com a tampa do tacho entreaberta, em lume médio, por 15 minutos.

Vá mexendo de vez em quando, para o arroz não colar no fundo do tacho.

Não deixe o arroz cozer totalmente, deixe um pouco al dente, pois quando o retirar do lume, o calor residual do tacho vai continuar a cozinhá-lo. 

Retire o arroz do lume, junte salsa picada a gosto e envolva cuidadosamente. Deixe o arroz repousar uns 4 minutos tapado. Está pronto a servir.

Bom Apetite!

domingo, 24 de abril de 2022

Arroz de couve flor

Para não fugir à regra, cheguei tarde no que diz respeito a tendências, e foi apenas ontem que experimentei a famosa versão "low carb" de arroz. O "arroz" de couve flor. 

Na verdade, talvez não tenha confeccionado mais cedo este prato porque eu preciso de tudo, menos de receitas baixas em hidratos de carbono. Pelo contrário. Preciso de estar em superávit calórico. Por isso mesmo, este foi mais um complemento à minha refeição e não substituto. Comi até com arroz e um feijãozinho preto. 

Ficou muito saboroso e agora entendo o porquê da maioria das pessoas gostar tanto. Tendo a couve flor um sabor mais neutro, todos os ingredientes que lhe juntemos transforma este vegetal num verdadeiro manjar. E a textura mais al dente é perfeita. Além de ser uma receita extremamente versátil. Já consigo imaginar dezenas de combinações. 

Caso ainda não tenham feito em vossa casa [o que duvido], não sabem o que perdem. Seja como substituto de arroz ou simplesmente como mais um acompanhamento, é sempre mais um alimento nutritivo e saboroso para consumir.




INGREDIENTES

1 couve flor [com cerca de 400 gramas] [separe apenas os floretes*]

2 dentes de alho grandes [picados finamente]

1 colher [sobremesa] de cebola em pó

2 colheres [sopa] de azeite extra virgem

q.b. sal e pimenta preta

q.b. salsa fresca picada

q.b. queijo parmesão ralado

* Utilize o tronco e talos do vegetal para sopa ou outros preparados culinários.


PREPARAÇÃO

Para preparar a couve flor, utilize um ralador, processador de alimentos ou uma faca. 

Pique/rale/triture até a couve ficar do tamanho de arroz [eu prefiro pedaços ligeiramente maiores].

Numa frigideira antiaderente grande, coloque o azeite e o alho picado. [É importante que a frigideira seja grande, para a couve ficar com textura e não empapada.]

Deixe refogar uns segundos e junte o "arroz". Cozinhe em lume médio/alto entre 3 a 4 minutos, mexendo regularmente.

Enquanto a couve flor cozinha, condimente com sal e pimenta preta a gosto e adicione a cebola.

Por fim, junte salsa e queijo parmesão, também a gosto. Envolva muito bem. 

Está pronto a servir. 


Bom Apetite!


quarta-feira, 20 de abril de 2022

Bolo de caneca de baunilha e morango

Um bolinho pronto em 5 minutos. 😍 

Doce e muito guloso! 😋



INGREDIENTES

1 morango grande cortado em cubinhos

1 ovo

15 gramas de açúcar

1 colher (chá) de extrato de baunilha

90 ml de leite

90 gramas de farinha de trigo

1 colher (chá) de fermento em pó

q.b. compota de morango/frutos vermelhos


PREPARAÇÃO

Para o bolo: caneca/chávena (capacidade para 300 ml) e um garfo

Parta o ovo para a caneca.

Junte o açúcar e bata bem.

Adicione a baunilha e o leite. Mexa novamente.

Junte a farinha e envolva muito bem.

Por último acrescente o fermento e os morangos. Misture.

Leve ao microondas 4 minutos em potência máxima. Mas verifique se é necessário mais tempo. Varia de eletrodoméstico.

Opcionalmente, espalhe um pouco de compota de morango/frutos vermelhos por cima do bolinho. 


Bom Apetite!




terça-feira, 19 de abril de 2022

Histórias de corredor #1


“Histórias de corredor”


O nome da nova rubrica do blog.

Onde escreverei sobre tudo. De mim, dos outros, e os outros sobre os outros. Da vida quotidiana e dos acontecimentos, dos mais banais aos mais complexos, que fazem de nós quem somos. Humanos.

É curioso que o nome da rubrica surgiu precisamente de uma longa observação, diria, antropológica depois de ter estado quase 12 horas, num corredor de hospital (nada de grave, apenas a espera dada à grande afluência).

Aquele dia marcou-me até hoje e tenho na memória muitas das pessoas que por lá passaram. Por vezes dou comigo a pensar como estarão.

Não consigo explicar porque, mas aquele dia serviu como uma espécie de ferramenta para o meu autoconhecimento e ver que de facto características que pensava ter, não são assim tão significativas e outras o oposto.

Mas é um pouco “bizarro” como olhar para o outro é tal qual um espelho.

A maioria achará incomum estar num hospital sentada horas seguidas e conseguir tirar algo dali; mas sou muito introspetiva e observadora e tudo me faz refletir sobre tudo. Se calhar por isso as 12 horas passaram num ápice.

Recordo a miúda hipocondríaca, que caminhava de um lado para o outro no corredor ao telemóvel, horas a fio…e que no início da noite ouvia os médicos com surpresa, ao descobrir que estava tudo bem com ela, e onde estes, pacientemente lhe davam conselhos. Ela não sabe, mas no final do dia, já não me irritavam os “km” percorridos por ela à minha frente. Porque no fundo, eu sou ela, apenas numa intensidade diferente.

Dava por mim a sentar-me no mesmo lugar ao lado de um senhor de idade muito calmo, educado e tranquilo. Sempre que ia caminhar um pouco, só esperava ter o mesmo lugar quando voltasse. Não o conhecia, mas consegui perceber que estava com dores, mas não o expressava. E tantas vezes é assim na vida. Calamos o que sentimos. Comecei a analisá-lo com carinho e só reparei no sangramento no ouvido. Qual médica, já lhe estava a dar um diagnóstico fatal (o que não era o caso).

E tantas outras histórias…poderia escrever milhares de palavras sobre todas elas, mas não o farei…

A senhora com demência que repetia as mesmas coisas vezes sem conta. Respirei fundo e pensei como a mente humana e o cérebro são um verdadeiro enigma. 

A pressa de quem se tinha sentado há 10 minutos, mas que ruminava como se estivesse há dias no corredor.

Os olhares de soslaio e desconfiança das pessoas para o jovem cigano que exigia ser atendido de imediato, num tom demasiado desproporcional. Mas também ele tinha medo.

A decadência de quem se deixou levar pelos vícios e prazeres momentâneos da vida. 

Sem esquecer a paciência e formas tão distintas que cada profissional de saúde tinha...o olhar e cuidado para com cada ser humano que por ali passava.

Quanto a mim, passaram-se tantas horas e vi uma paciência e tolerância que não sabia ter em tanta quantidade. Mas na verdade, se não estivesse tão absorvida no que observava talvez não experienciasse tudo isto de forma tão leve.

Dá que pensar...talvez a vida seja mais fácil de levar, se olharmos para o outro com mais compaixão, se olharmos em volta e analisarmos o que podemos, ou não, esperar e exigir.


Não existe obrigatoriedade de publicação, por isso mesmo, estas histórias (ou estórias) aparecerão quando fizer sentido. E vocês podem também participar. Se tiverem algo a contar que queiram ver partilhado, enviem um e-mail para dapanelaparaocoracao.yt@gmail.com